2015-08-24

Porrada

Estava eu ontem a sair da estação de comboios do Oriente, quando vejo no passeio duma rua bastante movimentada, uma mãe a dar uma palmada num filho mal educado. "Enfim", pensei eu. De vez em quando imagino que seja mesmo necessário uma palmada bem dada porque a má educação não pode ser permitida (apesar de ser, muitas vezes ensinada pelos próprios pais). Mas eis que não parou por ali. A mulher parecia que estava num ringue. Bateu várias vezes no miudo à vista de toda a gente (é preciso ter tomates visto que a polícia é mesmo ali ao lado) mas nunca na cara, sempre no rabo. Ele não se vai sentar durante 1 mês, mas foi demais.

Não sei como terminou pois já ía longe, não fiquei para ver, mas comecei a imaginar cenários:
- bastava alguém ter chamado a policia que a vida da senhora tinha-se complicado bastante;
- bastava alguém ter lá ido dar uma chapada na senhora, mas aí muito provavelmente o puto apanhava mais em casa, ou então como é uma senhora e não se pode bater numa senhora.....se fosse um homem tudo seria mais facil, mas aí se calhar o puto estava a apanhar com mais força e não no meio da rua pois os homens são mais cobardes e escondem mais;
- se ninguém fizesse nada, o puto iría achar que "nobody cares", que não está muito longe da realidade;

12 comentários:

Pusinko disse...

Entao e ninguém fez nada? Isto, assumindo que foi memso algo despropocional ao ponto de te ter levado a escrever um post.
É difícil, por vezes, decidir a partir de quando podemos/devemos intervir. De qualquer maneira, a humilhacao do garoto ninguém tira. Mesmo que tenha sido mal educado (e eu sou muito pouco tolerante com má educacao mirim e acho que é preciso reagir no momento) o que descreves nao parece correcto nem da parte da mae, nem de quem a deixou exagerar sem intervir de alguma maneira.
Enfim, que o puto nao aprenda esses métodos para resolver as quezílias na escola e na vida.

:) E boa semana!

PS: E esta cena de provar que nao se é um robô para comentar e escolher x objectos semelhantes entre várias imagens? Bué de arreliante. Nao queres remover isso?

grassa disse...

Era mesmo um puto ou era um anão?

É que olha que há anões que estão mesmo a pedi-las...

Linda Blue disse...

- Criança a apanhar na rua = crime de violência doméstica;
- Pessoa a bater na mãe da criança = crime de ofensas corporais.

Um crime "lavado" com outro crime...

Mas é claro que apoio a intervenção dos populares. Eu própria o faço. Basta avisarmos a pessoa de que está a cometer um delito que, ainda por cima, é um crime público (não por ser praticado em público, mas por não depender de queixa ou acusação particular).

:P

~

Pursinko, experimenta mandar publicar o teu comentário sem passares pelo crivo do robô. É o que eu faço e resulta sempre.

Jedi Master Atomic disse...

Pusinko -> Não sei porque não fiquei lá para saber. Não tenho controlo sobre isso do robot pois é do blogger. Basta clicares no "Não sou um robô" e mesmo que apareça uma imagem, ignora-a e publica na mesma o comentário que ele vem ;)

grassa -> Olha que não vi com essa atenção toda :P

Linda ex-porca blue -> Justiça popular :P

Pusinko disse...

Jedi, se nao ficaste lá talvez nao fosse tao grave assim. Eu nao sei como reagiria. Em parecendo exagerado falaria com a pessoa. Caso contrário faria queixa.
Já quando há criancas muito abusivas (cafés, combóios, avioes... you name it) e pais que os acham o máximo, quando alguém se queixa ou ignoram ou sao exagerados e gritam/batem aos putos. Exemplo de sonho de educacao.

Linda Blue, obrigada :)

Sci disse...

Essa senhora talvez só precisasse de uma explicação sobre a diferença entre educar e descarregar frustações... Mas concordo com a Pusinko, estando de fora nem sempre é fácil avaliar se, ou quando, se deve intervir.

E acreditando que no meio é que está a virtude, algum desse "esmero educativo" podia ter sido aproveitado pelos pais de uma outra criança que berrou, guinchou e gritou uma viagem inteira, mesmo atrás de mim. Uns com tanto, outros com tão pouco :)

Jedi Master Atomic disse...

Sci -> Não me pareceu que ela fosse lá com explicações :P

Tiago disse...

- se ninguém fizesse nada, o puto iría achar que "nobody cares", que não está muito longe da realidade;

Esta hipótese nem se coloca, porque nenhum puto com uns 4 a 7 anos pensa assim... A menos que o puto fosse mesmo um anão! :P


Não acredito que a bófia se fosse meter ao barulho. Não temos muita mentalidade para tal. É mais dar porrada a avôs com netos a assistir. ;)


Moral da história: quando o puto tiver 20 a 25 anos vai-se lembrar que a mãe deu-lhe porrada na estação dos comboios e brinca com os amigos. Sobreviveu como todos nós...!

agatxigibaba disse...

Sinceramente, já aconteceram coisas piores na rua e ninguém se desviou do seu trajecto para intervir. Isto, se o que descreves é o que estou a pensar, obviamente não vi e pode mesmo ter-se tratado de um momento de violência extrema. Mas duvido, dado que tu próprio foste à tua vidinha ;)

Jedi Master Atomic disse...

Tiago -> Quando o puto tiver 20 anos vai andar à porrada porque foi isso que aprendeu

Agatxi -> Não foi violência extrema, mas fez-me impressão.

Vadia disse...

Sou contra bater nas crianças. Ponto. Sou mãe e apenas "enxotei as moscas" algumas vezes à minha filha. E chega a uma altura em que os castigos funcionam muito melhor do que qualquer palmada. No entanto, também consigo perceber que há crianças exasperantes, capazes de fazer com que qualquer progenitor perca a cabeça.
Se eu tivesse assistido a uma cena assim , acho que teria dito qq coisa à espancadora. Claro que me habilitava a , na melhor das hipoteses, ela me mandar meter na minha vida....
A violência dos mais fortes contra os mais fracos sempre me tocou fundo. E costumo ser sempre a 1ª a entrar em defesa dos oprimidos que neste caso, seria a criança.

Jedi Master Atomic disse...

Vadia -> De acordo ;)